• Jornal Tribuna Online

Louveira reduz para 50% a capacidade de ocupação de bares, lanchonetes, restaurantes e eventos


Louveira reduz para 50% a capacidade de ocupação de bares, lanchonetes, restaurantes e eventos LOUVEIRA
Foto: Arquivo Tribuna.

Devido ao recorde de casos de covid-19 registrados no mês de janeiro, e ao contínuo aumento na taxa de contágio, que tem provocado sobrecarga no sistema de atendimento médico na cidade, a Vigilância em Saúde de Louveira determinou nesta terça-feira (1º) a ampliação das medidas de restrição e enfrentamento da pandemia.

O objetivo das medidas é reduzir a transmissão do vírus na cidade no momento em que todo o país vive uma nova onda da covid-19.

O Decreto 5.946/2022, publicado no Diário Oficial de Louveira na segunda-feira (31), determina que sejam prorrogadas até 2 de março as medidas sanitárias no município, que estavam em vigor até o dia 31.

Além disso, o decreto determina a redução de 70% para 50% a capacidade de ocupação máxima de estabelecimentos que permitem o consumo de comidas e bebidas, como bares, lanchonetes e restaurantes. Para estes locais, o limite de horário de funcionamento, em todos os dias da semana, é até 23h.


EVENTOS

Eventos públicos e privados, incluindo shows e festas realizados em bufês, salões e chácaras de recreio, também tiveram a capacidade máxima de ocupação reduzida para 50% do público.

Também fica vetada a realização de eventos públicos promovidos pelo Poder Executivo e seus respectivos órgãos.


CARNAVAL

Os festejos e desfiles de carnaval, públicos ou particulares, ficam proibidos, independentemente de sua modalidade.


IGREJAS

A ocupação autorizada em igrejas e templos religiosos permanece em 70%, conforme o Decreto 5.940/2022. Os locais devem seguir rigorosamente os protocolos de prevenção à covid-19 como o uso de máscaras durante as celebrações, assim como o distanciamento de 1,50 metro entre as pessoas.


Segundo determinação da Secretaria de Saúde, as medidas valem até o dia 2 de março, e serão reavaliadas dentro de 15 dias.


BALANÇO

Somente nos primeiros 31 dias do ano, 2.298 novos casos da doença foram registrados. O número é 120% maior que o contabilizado em junho de 2021, período até então considerado o pico da pandemia.

4 visualizações0 comentário