• Jornal Tribuna Online

Entrevista com Abimael dos Reis Landim

As Oficinas Culturais de Vinhedo retornaram, no mês de outubro, as aulas presenciais para mais de 890 alunos, em mais de 30 modalidades de curso. O Jornal Tribuna, preparou uma série de entrevistas com os artes-educadores das oficinas culturais de Vinhedo. Nesta semana, vamos conhecer a história de Abimael dos Reis Landim que ministra as oficinas de Violão Popular no Centro Cultural da Prefeitura de Vinhedo.

Entrevista com Abimael dos Reis Landim VINHEDO
Foto: Arquivo Pessoal.

Jornal Tribuna (JT): Qual o seu nome completo?

(Abimael Landim): Abimael dos Reis Landim


(JT): Você é natural de Vinhedo? (Caso negativo – de onde é e como foi sua vinda ao município?)

(AL): Sou de Jundiaí. Já havia participado do Festival Gastronômico de Inverno em 2018 e Festa da Uva 2019 e quando fiquei sabendo do edital de arte-educadores de Vinhedo me escrevi e minha proposta foi aceita.


(JT): Qual a sua formação? Conte-nos um pouco de sua trajetória profissional

(AL): Comecei a aprender violão aos 14 anos, onde até os 18 aprendi observando pessoas que já tocavam e estudando métodos, só aos 18 pude ter um estudo formal, orientado por um professor, onde estudei 1 ano e meio de guitarra. Como sempre tive facilidade em aprender e já sabia bastante da parte técnica, o professor na época me orientou as noções teóricas e me ajudou a aprimorar minha técnica. Depois, fui estudar em São Paulo, onde me formei em Guitarra pela EM&T (Escola de Música e Tecnologia) em 2013. Em 2017, concluí minha Graduação de Licenciatura em Música pela UNIFACCAMP (Universidade de Campo Limpo Paulista) e, agora, em agosto de 2021 conclui minha Pós-Graduação em Arranjo Musical pela Faculdade Unyleya. Desde 2012, atuo como músico guitarrista e violonista, além de produtor cultural, participando de grupos e projetos musicais em espaços privados, culturais e Prefeituras, além de músico instrumentista. Projetos mais recentes que atuei: Guitarrista da Banda The Teacher’s onde participamos das últimas festas gastronômicas de inverno e festa da uva de Vinhedo; Guitarristas Convidado do Coral Canto Vivo onde fizemos apresentação no Sesc de Jundiaí; Ano passado desenvolvi e atuei no projeto intitulado “Bem Brasil” no qual fui contemplado pelo edital da Aldir Blanc, onde teve como proposta um vídeo com 4 canções da música popular brasileira, no qual foi gravado ao vivo em estúdio e divulgado no site da cultura de Jundiaí, Esse ano gravei guitarra em duas músicas para a Orquestra CCJ onde sou guitarrista, além de outras participações em eventos anteriores com domingo no parque e festa da uva em Jundiaí; Projeto clássico da MPB na Instituição em que me formei (Unifaccamp) com a banda The Teacher´s, entre outras participações como arte-educador na região de Jundiaí no período da pandemia, onde ministrei e gravei 26 aulas por meio de vídeo com a proposta do violão popular para iniciante da cultura de Jundiaí-SP, além de professor de guitarra e violão em escolas de curso livre, música e aulas particulares em Jundiaí e Itupeva.


(JT): Qual oficina cultural você ensina na Prefeitura de Vinhedo e há quanto tempo? Quantos alunos participam da sua oficina?

(AL): No município de Vinhedo comecei esse ano com a oficina de violão popular. No momento, tenho 4 turmas - duas no centro cultural e duas, no João XXIII. Total de 20 alunos matriculados!


(JT): Como está sendo a retomada das atividades presenciais?

(AL): Tem sido gratificante ver a cultura ocupando os espaços que ficaram por muito tempo vazios, ver os alunos ansiosos em retornarem os aprendizados e poderem se beneficiar da cultura do município, é muito satisfatório vê-los cheios de energia em retomar as atividades culturais.


(JT): De onde surgiu seu interesse em atuar como oficineiro?

(AL): Desde que decidi ser professor de música, tive vontade ensinar nos centros culturais, tanto que a primeira vez que entrei em uma sala de aula para ensinar foi em um centro cultural perto de casa, chamado na época de (Estação Juventude), onde a coordenadora Wânia me convidou para lecionar violão, ali tive certeza da minha escolha como professores de música, o que viria a se consolidar mais tarde em mais precisamente no ano de 2018, após estar apto a lecionar, embora já ministrava aulas em escolas regulares de música desde 2012, mas, como oficineiro, venho desde onde atuei no ano de 2018 a 2020, na prefeitura de Campo Limpo PTA atuei como professor de violão e musicalização infantil em projetos culturais e escola de período integral, em 2020, na cultura de Jundiaí e, agora, em 2021, estou como educador aqui, em Vinhedo.


(JT): O que você considera ser a chave para o sucesso do aprendizado?

(AL): O aprendizado deve produzir consciência em como fazemos, para que fazemos e como fazemos, para que assim possa haver a transformação do saber. A chave do aprendizado, ao meu ver, está em entender os processos e os meios!


(JT): Para encerrar, deixe uma mensagem aos leitores vinhedenses.

(AL): Aprender não tem idade, é todo tempo, todos somos capazes de desenvolvermos habilidades musicais, não é por dom nem talento, e sim, vontade, estímulo e prática.

1 visualização0 comentário